O Exemplo da Fonte

        Um estudante da sabedoria, rogando ao seu instrutor lhe explicasse qual a melhor maneira de livrar-se do mal, foi por ele conduzido a uma fonte que deslizava, calma e cristalina, e, seguindo-lhe o curso, observou:

        — Veja o exemplo da fonte, que auxilia a todos, sem perguntar, e que nunca se detém até alcançar a grande comunhão com o oceano. Junto dela crescem as plantas de toda a sorte, e em suas águas desse­dentam-se animais de todos os tipos e feitios.

        Enquanto caminhavam, um pequeno atirou duas pedras à corrente e as águas as engoliram em si­lêncio, prosseguindo para diante.

        — Reparou? — disse o mentor amigo — a fon­te não se insurgiu contra as pedradas. Recebeu-as com paciência e seguiu trabalhando.

        Mais à frente, viram grosso canal de esgoto arremessando detritos no corpo alvo das águas, mas a corrente absorvia o lodo escuro, sem reclamações, e avançava sempre.

        O professor comentou para o aprendiz:

— A fonte não se re­volta contra a lama que lhe atiram à face. Reco­lhe-a sem gritos e trans­forma-a em benefícios para a terra necessitada de adubo.

Adiante ainda, nota­ram que, enquanto andori­nhas se banhavam, lépi­das, feios sapos penetra­vam também a corrente e pareciam felizes em ale­gres mergulhos.

As águas ampara­vam a todos sem a míni­ma queixa.

O bondoso mentor indicou o lindo quadro ao discípulo e terminou:

— Assinalemos o exemplo da fonte e aprende­remos a libertar-nos de qualquer cativeiro, porque, em verdade, só aqueles que marcham para diante, com o trabalho que Deus lhes confia, sem se ligarem às sugestões do mal, conseguem vencer dignamente na vida, garantindo, em favor de todos, as alegrias do Bem Eterno.

Fonte: livro “Pai Nosso” – Francisco Cândido Xavier – Espírito Meimei