Imprimir
Acessos: 649

RECURSO DIVINO

           

Imaginaste o lar de teus sonhos e ergueste o santuário de ternura cimentado com abnegação e sacrifício, quando a tempestade de incompreensões desabou sobre teu recanto de paz, confinando-te na vala escura da solidão.

            Entretanto, em vez de fortaleceres a revolta, busca na prece o perdão e a calma para reconstruíres teu ninho de amor, convicto da Bondade Divina.

            Recebeste a benção da maternidade e cultivaste nos jardins da alma a flor acalentada com emoção e esperança, quando a mão gélida da morte arrebatou de teus braços o filho mais querido, arrastando-te ao mar revolto da aflição.

            Contudo, em vez de mergulhares na amargura, procura na prece a resignação e a fé, para retomares a alegria de viver, ciente da misericórdia de Deus.

            Dedicaste todo o carinho à família e te entregaste com renúncia e devotamento ao núcleo consanguíneo eleito por altar de tua adoração, quando a palavra impensada do familiar leviano te surpreendeu, ferindo-te com os espinhos da agressão gratuita.

            No entanto, em vez de te esconderes na mágoa, alcança na prece a paz e a tolerância para prosseguires teu caminho, confiante no apoio do Alto.

            Traçaste o roteiro de vida e investiste esforço e perseverança nos ideais nobres, quando circunstâncias desfavoráveis te barraram os passos, minando-te as possibilidades de trabalho.

            Todavia, em vez de definhares no desânimo, conquista na prece a compreensão e a paciência, para entenderes que as dificuldades fazem parte da evolução, convencido da sabedoria do Senhor.

            Na hora da crise, não te esqueças do recurso divino da prece.

            Quando tudo parece conspirar contra teus objetivos mais caros, sossega o coração atribulado e lembra-te de Jesus no Horto das Oliveiras, quando o Celeste Amigo, orando em busca do amparo de Deus para as horas amargas que estavam por vir, exclamou com humildade:

            – Pai, não seja como eu quero e, sim, como tu queres.

 

Fonte: livro “Vivendo o Evangelho – vol. II – André Luiz